O doce é uma tradição italiana em celebração ao Dia de San Giuseppe, difundida no Brasil pelos imigrantes. E a Padaria Real mantém o costume de oferecê-lo aos clientes exclusivamente nessa data. Ouseja: ele não será comercializado em nenhuma outra data do ano.




Na Itália é conhecido por Zeppola, no plural: Zeppole. Aqui no Brasil difundiu-se como no plural, talvez porque seja difícil satisfazer-se com uma só!
De fato, a rosquinha é deliciosa! Na receita da Padaria Real a massa é leve, recheada com creme à base de gemas e baunilha, coberta com farofa de açucar com canela e confeitada com mel de flor de laranjeira e castanha de caju.




A simbologia do Zeppole é muito rica. Primeiro, a de homenagear o Santos em sua data, considerado pelos cristãos como o Guardião da Família.
Segundo, a de enaltecer o hábito da partilha, uma vez que, na tradição italiana, as famílias distribuem a rosquinha entre os mais necessitados, em reparação à não acolhida do menino de Nazaré.




Há, ainda, outro bonito hábito italiano: de as pessoas oferecerem o doce aos amigos chamados Giuseppe, ou José, numa deferência toda especial.

A origem das rosquinhas é atribuída aos mosteiros de Nápoles. E a popularização delas é creditada ao confeiteiro Pasquale Pintauro, que teria sido o primeiro a fritá-las na rua, durante os festejos de San Giuseppe, atraindo a simpatia do público.